in

Paulo Peposo e o Jiu-Jitsu nas forças policiais: “Segue indispensável”

Peposo em aula para imobilização no solo para agentes de segurança. Foto: Reprodução

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e judô, e instrutor de artes marciais nas forças de segurança de Minas Gerais, nosso GMI Paulo “Peposo” Cury é um dos grandes estudiosos da defesa pessoal para policiais.

Além de lecionar técnicas de abordagem e defesa nas corporações, o líder da Peposo Team, que também é bacharel em Direito, analisa constantemente as técnicas de Jiu-Jitsu mais usadas nas abordagens policiais e em suas atividades de rotina.

Confira nas linhas abaixo as impressões de Paulo Peposo sobre o tema, que vem ganhando o mundo, e quais as medidas defendidas pelo professor sobre o assunto.

GRACIEMAG: O policial brasileiro sabe abordar suspeitos, Peposo?

PAULO PEPOSO: Vejo o combate corpo a corpo das forças policiais contra cidadãos infratores dentro das expectativas mundiais. É baixo o índice de letalidade quando se trata de imobilização corpo a corpo, não há violência excessiva por parte dos policiais. Situações onde há excesso de força por certos policiais na hora da abordagem são exceções à regras, devem ser analisadas nas suas especificidades, dentro de cada caso de procedimentos policiais.

Como o Jiu-Jitsu protege os policiais e cidadãos?

Há de considerar que todo o estudo de combates corpo a corpo das forças policiais visam à imobilização do infrator, respeitando a dignidade humana em detrimento do crime cometido por ele. As forças policiais devem atuar de forma imparcial, visando a proteger a integridade pessoal da vítima e do cidadão infrator. Dito isso, o Jiu-Jitsu utilizado pelas forças policiais de Minas Gerais, que eu acompanho de perto, minimiza a resistência por parte do cidadão infrator, por se tratar de uma arte onde há inúmeras possibilidades de imobilizar sem usar de força excessiva – e sem colocar o policial em risco. A contenção do infrator é mais eficaz, rápida e minimiza os risco de machucados e lesões para ambos os lados.

Quando há excesso, é muitas vezes falta de treino de Jiu-Jitsu?

Cada caso é um caso. A força utilizada pelos agentes públicos depende muito das qualificações dos cidadãos infratores e dos agentes, e dos contextos que cada situação exige. As forças policiais têm passado por vários estudos técnicos em relação a técnicas de defesa policial, contudo a falta de conhecimento técnico de defesa pessoal por alguns agentes públicos pode sim contribuir para o uso de força exacerbada.

O Jiu-Jitsu segue como uma ferramenta indispensável no treinamento de forças policiais?

Certamente. O Jiu-Jitsu bem trabalhado é uma ferramenta indispensável para agregar à formação de policiais. Com a Defesa Pessoal Policial, a melhor forma de imobilizar cidadãos infratores resistentes, notamos que o Jiu-Jitsu se mostra a arte mundial mais eficaz no solo, pois utiliza de técnicas precisas de imobilização dos membros superiores, inferiores e, se necessário, de técnicas controladas de estrangulamento para minimizar a reação da agressão e dessa forma preservar a vida do infrator.

Tivemos recentemente o caso de George Floyd nos EUA. O que ocorreu ali, na sua visão?

A técnica empregada pelo policial Dereck Chauvim foi desproporcional, arbitrária, abusiva e violenta, pois não havia necessidade de empregar a técnica do estrangulamento indireto, no caso utilizando o joelho para interromper o fluxo sanguíneo da artéria carótida do cidadão imobilizado. A técnica foi mal utilizada, pois há outras formas de imobilizar o cidadão infrator estando em decúbito ventral (de barriga no solo), como inserir o joelho nas escápulas e o outro joelho próximo ao tórax, desse modo impedindo a mobilização dos membros superiores do cidadão infrator, preservando o pescoço. Foi então uma aplicação de amador, afinal ao aplicar técnicas de Jiu-Jitsu no solo não há necessidade de imobilizar um cidadão por muito tempo. Toda técnica de defesa pessoal usada de forma incorreta, em qualquer arte marcial, torna-se perigosa para ambos os lados. Mas, se usada de forma correta, será benéfica para todas as sociedades.

Na sua opinião, o que falta para o Jiu-Jitsu ser treinado por todas as forças de segurança?

Há um descaso das políticas públicas para com os investimentos nas artes marciais, e falta reconhecimento de sua relevância na formação policial adequada. Sempre fui um visionário da luta e tenho compromisso crescente com o bem-estar social. Busco inclusive desenvolver projetos sociais com o objetivo de conscientizar crianças e adolescentes, desde cedo, quanto à real função da luta e de suas técnicas enquanto práticas de defesa pessoal. O Jiu-Jitsu na verdade combate a violência. Procuro ensinar o uso da força com moderação de acordo com as necessidades e circunstâncias, nunca para machucar ou agredir o próximo. É um trabalho constante nosso pela saúde, pela qualidade de vida, em busca de parcerias adequadas com educadores e especialistas da área da saúde mental.

This article first appeared at Graciemag

What do you think?

Paige VanZant Says She Made More on ‘Dancing with the Stars’ Than Entire UFC Career

Jorge Masvidal Reacts To Dana White Saying Fighting Is Not A Career